ASPECTOS ARQUITETÔNICOS NA DISSEMINAÇÃO DE INFECÇÕES PARASITÁRIAS EM UMA UNIDADE ESCOLAR PÚBLICA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, RJ

  • Jonathan Vieira de Melo CB-ML Aux . da Seção de Apoio Técnico Unidade Operacional de Construção e Reparo Naval Empresa Gerencial de Projetos Navais (Engepron)
  • Aline Aparecida Silva Cardoso Técnica em Análises Clínicas Serviço de Controle da Qualidade Animal (SCQA) Instituto de Ciência e Tecnologia em Biomodelos (ICTB) - Fiocruz
  • Artur Araújo Mediador Museu da Vida Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)
  • Ludmila Lorraine Pereira dos Santos Centro Universitário Celso Lisboa (UCL)
  • Rebeca Fernandes Teixeira da Rocha Centro Universitário Celso Lisboa (UCL)
  • Tami Helena Pestana Bogéa Centro Universitário Celso Lisboa (UCL)

Resumo

O presente estudo visa identificar aspectos da arquitetura escolar que podem contribuir para a disseminação de infecções microbianas entre escolares do 1º ao 5º anos do ensino fundamental de uma unidade escolar (UE) pertencente à rede municipal de ensino do Rio de Janeiro. O estudo foi dividido em três etapas. Na Etapa 1, procedeu-se com a seleção da unidade escolar com base em critérios pré-estabelecidos. Na Etapa 2, o ambiente físico-arquitetônico da edificação escolar foi descrito. Alguns fatores, como o material empregado na construção do prédio escolar, a trajetória da insolação sobre a escola e a área, temperatura e número de escolares em cada sala de aula, foram observados em detalhe. Na Etapa 3, questionários sócio-epidemiológicos foram distribuídos aos responsáveis dos escolares. A análise dos resultados foi realizada com o auxílio de métodos de estatística descritiva. A Escola Municipal Tagore, localizada no bairro da Abolição, foi selecionada para o presente estudo por ser uma escola com menos de 400 escolares, situada no entorno do Centro Universitário Celso Lisboa (UCL), onde um dos coautores realizava estágio, o que possibilitou avaliar o interesse da equipe pedagógica em estabelecer parcerias. Os resultados mostraram que a edificação escolar apresenta fachada norte e sua temperatura ambiente pode atingir 300C ou mais durante o verão. O prédio foi construído em alvenaria, possuindo um telhado de alumínio. A UE apresenta uma planta baixa clássica, onde as salas de aulas são distribuídas por corredores centrais. Ela apresenta pátio coberto, quadra externa e refeitório. As cinco salas de aula atualmente em utilização possuem áreas de 30,22 ou 46,31 m2 e estão equipadas com aparelhos de ar condicionado ajustados à temperatura de 170C. O número de escolares por sala de aula variou de 24 a 30, excedendo a taxa de ocupação pretendida para as escolas cariocas nas turmas de 40 e 50 anos. As possíveis consequências da superlotação dessas salas de aula para a saúde dos escolares são discutidas.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Licenciado em Ciências Biológicas e bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Celso Lisboa
##submission.authorWithAffiliation##
Licenciada em Ciências Biológicas e bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Celso Lisboa
##submission.authorWithAffiliation##
Graduado em Ciências Biológicas e bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Celso Lisboa
##submission.authorWithAffiliation##
Licencianda em Ciências Biológicas e bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Celso Lisboa
##submission.authorWithAffiliation##
Licencianda em Ciências Biológicas e bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Celso Lisboa
##submission.authorWithAffiliation##
Coordenadora do Núcleo de Estudos em Educação & Saúde (NESEDUC), Docente dos Cursos de Graduação em Ciências Biológicas e de Pós-Graduação em Ciências da Visão do UCL

Referências

BUSH, A.O. et al. Parasitology meets ecology on its own terms: Margolis et al. revisited. Journal of Parasitology, v. 83, p. 575-583, 1997.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros básicos de infra-estrutura para instituições de educação infantil. Brasília. MEC, SEB, 2006.45 p. Disponível em: miolo_infraestr.pdf>. Acesso em: 16 fev. 2017.


CALIFORNIA OFFICE OF THE STATE FIRE MARSHALL. Office of The State Fire Marshal Regulated Occupancies: Authority, Responsibility, Inspection Frequency, Ability to Modify Regulations Locally, Ability To Charge An Inspection Fee. Los Angeles: California State Government Press, 2011. 6 p.


CARDOSO, A. Infecções Parasitárias Prevalentes em uma Unidade Escolar da Rede Pública do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Centro Universitário Celso Lisboa, 2016. 35 p.


CENTER FOR DISEASE CONTROL. Enterobiasis. Disponível em: https://www.cdc.gov/parasites/pinworm/. Acesso em: 15 fev. 2017.


DIAS, E. B; PINHEIRO, F.A.; PINHEIRO, A.V.B.S. Influência dos aspectos ergonômicos de sala de aula na atividade de ensino-aprendizagem: o caso de uma escola de ensino fundamental e médio na cidade de Petrolina, PE, Brasil. In: XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO: PERSPECTIVAS GLOBAIS PARA A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 2015, Fortaleza. Anais. Fortaleza: ENEGEP, 2015. p. 1-14.


DÓREA, C.R.D. A arquitetura escolar com objeto de pesquisa em História da Educação. Educar em Revista, v. 49, p. 161-181, 2013.


FALAVIGNA, D.L.M. et al. Parceria universidade - comunidade no diagnóstico e controle de parasitoses intestinais. Revista UNIMAR, v. 19, n. 2, p. 649-659, 1997.


FERREIRA, H. et al. Estudo epidemiológico localizado da frequência e fatores de risco para enteroparasitoses e sua correlação com o estado nutricional de crianças em idade pré-escolar: parasitoses intestinais e desenvolvimento infantil. Publicação UEPG Ciência, Biologia e Saúde, v. 12, n. 4, p. 33-40, 2006.


FRANCESCHI, A.T. et al. Desenvolvendo estratégias para o controle da pediculose na rede escolar. Revista APS, v. 10, n. 2, p. 217-220, 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 set 2016.


GOLDSCHMIDT, A.I.; LORETO, E. Investigação das concepções espontâneas sobre pediculose entre pais, professores, direção e alunos de educação infantil e anos iniciais. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 11, n. 2, p. 455-470, 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 nov 2016.


HAGEN, R. Escola Pública Infantil e Fundamental. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008, 25 p.


HEUKELBACH, J.; MENCKE, N.; FELDMEIER, H. Cutaneous larva migrans and tungiasis: The challenge to control zoonotic ectoparasitoses associated with poverty. Tropical Medicine and International Health, v. 7, p. 907-910, 2002.


KOWALTOWSKI, D.C.C.K et al. Conforto e ambiente escolar. Cadernos de Arquitetura, Bauru, DAUP-FAAC-UNESP, v. 3, p. 1-26, 2001.


MARINHO, M.S. et al. Prevalência de enteroparasitoses em escolares da rede pública de Seropédica. Revista Brasileira Análises Clínicas, v. 4, n. 4, p.195-19, 2002.


MELATTI, S.P.P.D. A Arquitetura Escolar e a Prática Pedagógica. Joinville: Universidade do Estado de Santa Catarina, 2004. 120 p.


NESTI, M.M.M.; GOLDBAUM M. As creches e pré-escolas e as doenças transmissíveis. Jornal de Pediatria, v. 83, n. 4, p. 299-312, 2007.


NEVES, D.P.P. Parasitologia Humana. 11º Edição. São Paulo: Atheneu, 2005.


NOCCIOLI, M.M. et al. O controle das doenças transmissíveis na escola: uma abordagem crítica e reflexiva. Revista Brasileira de Saúde Escolar, v. 3, n. 1-4, p. 16874, 1994.


PAULA, A.P. Infestação por Pediculus humanus em escolas do município de Machado/ MG, Brasil. IFSULDEMINAS. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 nov 2016.


REY, L. Bases da Parasitologia Médica. 3ºedição. Rio de Janeiro: Editora Guanabara-Koogan, 2011, 424 p.


RIO DE JANEIRO (Município). Projeto de lei nº 666/2015, de 30 de julho de 2015. Lex: Diário Oficial Poder Legislativo, Rio de Janeiro, RJ, 2015.

SÃO PAULO (Estado). Resolução SE 86, de 28 de novembro de 2008: número médio de alunos por classe para melhoria da oferta e qualidade de ensino. Diário Oficial Poder Executivo, São Paulo, SP, 2008.
Publicado
2017-07-27
Como Citar
MELO, Jonathan Vieira de et al. ASPECTOS ARQUITETÔNICOS NA DISSEMINAÇÃO DE INFECÇÕES PARASITÁRIAS EM UMA UNIDADE ESCOLAR PÚBLICA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, RJ. Revista Presença, [S.l.], v. 3, n. 8, p. 13-24, july 2017. ISSN 2447-1534. Disponível em: <https://revistapresenca.celsolisboa.edu.br/index.php/numerohum/article/view/105>. Acesso em: 23 apr. 2024.
Seção
Artigo Livre

Palavras-chave

Saúde Escolar; Arquitetura; Ensino Fundamental

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##