PSICOSSOMÁTICA E ALOPECIA AREATA

  • Adriana Kistenmacker Cavalcante Centro Universitário Celso Lisboa
  • Grasiela Jacoby
  • Simone Érica Aparecida Bezerra

Resumo

Trata-se de uma revisão integrada de dados, verificam-se aspectos da psicossomática evoluindo para o desenvolvimento de uma alopecia areata. De origem psicológica, a doença psicossomática, influencia os processos do corpo através das vias nervosas e humorais. No decorrer do presente estudo expõem-se diferentes casos psicossomáticos que levam a uma alopecia areata que é a perda do cabelo em áreas circunscritas, apresentando uma área circular ou oval bem delimitada podendo ser única ou múltipla. Na revisão, destacam-se os casos de estresse, relações familiares, depressão, fatores psicológicos em crianças entre outros aspectos. Aponta-se neste estudo a contribuição para o esclarecimento e afirmação de vertentes psicossomáticas relacionados a alopecia areata, bem como favorece a importância na conexão entre o funcionamento psíquico e suas manifestações físicas patológicas.


O presente estudo tem como objetivo analisar os efeitos da psicossomática que causam alopecia areata, descrevendo o mecanismo da psicofisiologia, através da integração de dados, apontando os resultados e conclusões.


Este estudo constitui-se de uma pesquisa bibliográfica de artigos científicos através de levantamento de dados de estudos de casos e revisões bibliográficas sobre aspectos que envolvem a Psicossomática e Alopecia Areata nas bases de dados Scielo e PubMed. Utilizaram-se as seguintes palavras chave: Psicossomática; Alopecia Areata; Psicofisiologia em um espaço de 2000 a 2022.

É importante ressaltar que a Alopecia Areata se constitui sobretudo, através da vulnerabilidade dos aspectos psicológicos  presentes ao longo da vida.


Considerando-se os estudos abordados, verifica-se que fatores multifatoriais acometem o nosso corpo, assim como eventos estressores ou traumáticos.


A psicofisiologia mostra que através do hipotálamo as situações emocionais estimulam a liberação, pela supra renais, de corticoesteróides, com isso facilitando os processos inflamatórios, liberando uma substancia chamada P(SP). A perda imunológica folicular se dá através da incapacidade dos linfócitos T identificarem os melanócitos da matriz epidérmica, pois nessa região em pacientes com AA encontra-se a SP.


Conforme a OMS, o bem-estar relaciona-se a qualidade de vida, com efeito um corpo em busca da homeostase.


Nota-se a importância de aprofundamento de futuras pesquisas no âmbito da psicofisiologia, com o intuito de promover opções terapêuticas e tratamentos integrativos.

Biografia do Autor

Grasiela Jacoby

Último grau acadêmico : especialização Pós graduada em Tricologia e Terapia Capilar, Instituição : Clínica Vivez
Estado: Rio Grande do Sul/Brasil

Simone Érica Aparecida Bezerra

Grau acadêmico especialização: Pós-graduada em Tricologia e Terapia Capilar, Instituição: Garden Flower Cosméticos, Rio de Janeiro/Brasil.

Publicado
2023-11-20
Como Citar
CAVALCANTE, Adriana Kistenmacker; JACOBY, Grasiela; BEZERRA, Simone Érica Aparecida. PSICOSSOMÁTICA E ALOPECIA AREATA. Revista Presença, [S.l.], v. 9, n. 21, p. 103 - 112, nov. 2023. ISSN 2447-1534. Disponível em: <https://revistapresenca.celsolisboa.edu.br/index.php/numerohum/article/view/416>. Acesso em: 23 apr. 2024.
Seção
Artigo Livre

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##