PROJETO DE HORTA ORGÂNICA PARA UMA UNIDADE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, RJ

  • Artur Araújo Mediador Museu da Vida Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)
  • Jonathan Vieira de Melo CB-ML Aux . da Seção de Apoio Técnico Unidade Operacional de Construção e Reparo Naval Empresa Gerencial de Projetos Navais (Engepron)
  • Aline Aparecida Silva Cardoso Técnica em Análises Clínicas Serviço de Controle da Qualidade Animal (SCQA) Instituto de Ciência e Tecnologia em Biomodelos (ICTB) - Fiocruz
  • Ludmila Lorraine Pereira dos Santos Centro Universitário Celso Lisboa
  • Rebeca Fernandes Teixeira da Rocha Centro Universitário Celso Lisboa
  • Tami H. Pestana Bogéa Centro Universitário Celso Lisboa

Resumo

O uso de hortas escolares tem sido disseminado na literatura pedagógica por ser um instrumento que pode enriquecer aulas das mais diversas disciplinas. As hortas têm sido utilizadas em projetos de alfabetização, educação ambiental e educação em saúde, permitindo uma abordagem interdisciplinar que motiva e envolve a comunidade escolar como um todo. O presente estudo visou elaborar um projeto para a construção de uma horta orgânica de baixo custo em uma unidade escolar (UE) pertencente à rede municipal de ensino do Rio de Janeiro. Adotou-se a técnica de cultivo modular sob a perspectiva da permacultura, empregando materiais reaproveitáveis e minimizando-se assim os impactos no descarte de resíduos. Além de envolver-se ativamente na construção e manutenção da horta, a comunidade escolar participou de atividades planejadas com o intuito de encorajar ações que promovam a higiene pessoal e a sanitarização alimentar na UE. Tais atividades ajudam a conscientizar professores, escolares e funcionários sobre a importância nutricional dos alimentos e da manutenção dos bons hábitos alimentares. Com este projeto, é possível colocar em prática os 3 Rs da sustentabilidade (reduzir, reutilizar e reciclar). As ações são realizadas com o intuito de minimizar o desperdício de materiais e produtos, além de poupar a natureza da extração abusiva de recursos. Adotando estas práticas, é possível reduzir gastos, além de favorecer o desenvolvimento sustentável.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Graduado em Ciências Biológicas e bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Celso Lisboa
##submission.authorWithAffiliation##
Licenciado em Ciências Biológicas e bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Celso Lisboa
##submission.authorWithAffiliation##
Licenciado em Ciências Biológicas e bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Celso Lisboa
##submission.authorWithAffiliation##
Licencianda em Ciências Biológicas e bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Celso Lisboa
##submission.authorWithAffiliation##
Licencianda em Ciências Biológicas e bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Celso Lisboa
##submission.authorWithAffiliation##
Coordenadora do Núcleo de Estudos em Educação & Saúde (NESEDUC), Docente dos Cursos de Graduação em Ciências Biológicas e de Pós-Graduação em Ciências da Visão do UCL

Referências

AMENDOEIRA, M.R.R. et al. Correlação entre o rendimento escolar e enteroparasitoses de escolares de uma escola municipal do Rio de Janeiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PARASITOLOGIA, 18, 2003, Rio de Janeiro, Anais, Rio de Janeiro, 2003, p. 155.


AUSTIN, C. Disponível em: . Acessado em: 16 fev 2017.


BELLOTO, M.V.T et al. Enteroparasitoses numa população de escolares da rede pública de ensino do Município de Mirassol, São Paulo, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 2, n. 1, p. 37-44, 2011.


BENYUS, J.M. Biomimética: inovação inspirada pela natureza. Rio de Janeiro: Cultrix, 2015. 303 p.


CARDOSO, A. Infecções Parasitárias Prevalentes em uma Unidade Escolar da Rede Pública do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Centro Universitário Celso Lisboa, 2016. 35 p.


MACIEL, L.N. et al. Projeto Aprendendo Saúde na Escola: a experiência de repercussões positivas na qualidade de vida e determinantes da saúde de membros de uma comunidade escolar em Vitória, Espírito Santo. Ciência da Saúde Coletiva, v.15, n.2, p. 389-396, 2010.


MARINHO, M.S. et al. Prevalência de enteroparasitoses em escolares da rede pública de Seropédica. Revista Brasileira Análises Clínicas, v. 4, n. 4, p.195-19, 2002.


MELO, J.V. Aspectos Arquitetônicos na Disseminação de Infecções Parasitárias na Comunidade Escolar de Ensino do Município do Rio de Janeiro, RJ. Rio de Janeiro: Centro Universitário Celso Lisboa, 2016. 35 p.


MELO, M.E. FERRAZ, N.F.; ALEIXO, L.D. Importância do estado da prevalência de parasitos intestinais de crianças em idade escolar. Revista de Saúde e Biologia, v. 5, n. 1, p. 43-47, 2010.


NÓVOA, A. Os professores na virada do milênio: do excesso de discursos à pobreza das práticas. In: SOUZA, D.T.R.; SARTI, F.M. (Org.). Mercado da Formação Docente. São Paulo: Fino Traço Editora, 2014. p. 23-35.


ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Métodos de vigilância sanitária y gestión para manipuladores de alimento. Informe de uma reunión de consulta de la OMS. Genebra, 1989. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/38647/1/WHO_TRS_785_spa.pdf. Acesso em: 10 de out. de 2016.


RÊGO, J.C.; STAMFORD, T.L.M.; PIRES, E.M.F.; SILVA Jr, E.A.S. Proposta de um programa de boas práticas de manipulação e processamento de alimentos para unidades de alimentação e nutrição. Higiene Alimentar, v. 15, n. 89, p. 22-27, 2001.


RUSCHEINSKY, A. Educação Ambiental: Abordagens Múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002.


REY, L. Parasitologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. 731 p.


TURANO, W. A didática na educação nutricional. In: GOLVEIA, E. Nutrição, Saúde e Comunidade. São Paulo: Revinter, 1990. 246 p.


VASCONCELOS, E. M. Educação popular como instrumento de reorientação das estratégias de controle das doenças infecciosas e parasitárias. Cadernos de Saúde Pública, v. 14, supl. 2, p. 39-57, 1998.
Publicado
2017-07-27
Como Citar
ARAÚJO, Artur et al. PROJETO DE HORTA ORGÂNICA PARA UMA UNIDADE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, RJ. Revista Presença, [S.l.], v. 3, n. 8, p. 25-36, july 2017. ISSN 2447-1534. Disponível em: <https://revistapresenca.celsolisboa.edu.br/index.php/numerohum/article/view/106>. Acesso em: 26 jan. 2022.
Seção
Artigo Livre

Palavras-chave

Horta Escolar; Permacultura; Ensino Fundamental; Educação em Saúde; Rio de Janeiro

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##