MODELAGEM ESTOCÁSTICA DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA

  • Gabriel Rodrigues da Silva Jandre Centro Universitário Celso Lisboa
  • Homero da Silva Nahum Junior Centro Universitário Celso Lisboa
  • Roxana Macedo Brasil Centro Universitário Celso Lisboa
  • Ana Cristina Lopes y Glória Barreto Centro Universitário Celso Lisboa

Resumo

Resumo


Objetivando modelar a VFC por série temporal, avaliados foram 102 homens com, pelo menos, 12 meses de prática de HIIT, e divididos em Adulto Jovem (n = 62 pessoas, Idade = 26,20 ± 1,30 anos) e Adulto (n = 40 pessoas, Idade = 31,75 ± 0,96 anos). Aplicou-se a regressão por pontos de inflexão, utilizando o Joinpoint Regression Program, 5.0.2 para cada faixa etária e todo o grupo. Os resultados demonstraram serem os modelos estatisticamente significativos (valor-p < 0,05), tendo as curvas estocásticas da VFC desenhos e mudanças percentuais similares em cada período considerado. Porém, as expressões foram distintas, porque os coeficientes significativos eram em Adulto Jovem, o Intercepto; Adulto, Intercepto, Ponto 1 e Ponto 2 – Ponto 1; e em Todos, Intercepto e Ponto 2 – Ponto 1. Concluiu-se, então que os modelos de série temporal foram satisfatórios à descrição da VFC.


Palavras-chave: ponto de inflexão. série temporal. fisiologia do exercício. processo estocástico.

Publicado
2024-04-12
Como Citar
JANDRE, Gabriel Rodrigues da Silva et al. MODELAGEM ESTOCÁSTICA DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA. Revista Presença, [S.l.], v. 10, n. 22, p. 237 - 252, apr. 2024. ISSN 2447-1534. Disponível em: <http://revistapresenca.celsolisboa.edu.br/index.php/numerohum/article/view/469>. Acesso em: 13 july 2024.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##