ANÁLISE DAS DIVERSAS FORMAS DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS RESIDENCIAIS VENCIDOS OU EM DESUSO NO BRASIL E NO MUNDO

  • Carlos Magno de Marce Rodrigues Barros Centro Universitário Celso Lisboa
  • Aline Guimarães da Silva Centro Universitário Celso Lisboa
  • Cleudinéia Pereira dos Santos Centro Universitário Celso Lisboa
  • David Nunes dos Santos Centro Universitário Celso Lisboa
  • Gabriela Ferreira Ornelas Centro Universitário Celso Lisboa
  • Joyce Rodrigues Ribeiro Centro Universitário Celso Lisboa
  • Larissa Barros da Cruz Centro Universitário Celso Lisboa
  • Edvaldo Higino de Lima Júnior Centro Universitário Celso Lisboa
  • José Liporage Teixeira Centro Universitário Celso Lisboa
  • Wesley de Marce Rodrigues Barros Centro Universitário Celso Lisboa

Resumo

O descarte correto de medicamentos residenciais deve ser realizado em postos de coleta existentes ou por empresas responsáveis por esse recolhimento e destinação final sem comprometer o meio ambiente ou até mesmo a saúde pública. O objetivo desse estudo foi identificar e discutir as diferentes formas de descarte de medicamentos em diversos países do mundo. Foi realizada uma revisão de literatura científica por meio do acesso às bases de dados Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE), e aos portais de busca Scielo, Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), PubMed, Periódicos Capes e Google Acadêmico®. Os dados foram obtidos nos meses de agosto de 2020 a fevereiro de 2021. As palavras-chave utilizadas foram articuladas com o uso de operadores booleanos: “Resíduos de serviços de saúde e medicamentos e atenção primária à saúde”. As fontes foram incluídas na pesquisa bibliográfica, independentemente de suas datas de publicação e desenhos de estudo (experimental ou observacional). Foram utilizados 22 artigos científicos. Os resultados mostraram que em muitos países ricos a conduta mais adequada é devolver às farmácias os medicamentos indesejáveis. Na maioria dos países, principalmente os mais pobres, o descarte de medicamentos é feito de maneira precária, sem nenhuma preocupação com a contaminação do meio ambiente. O lixo doméstico é a forma mais comum de descarte dos medicamentos residenciais em desuso. Sugere-se a implementação de novos programas e uma maior fiscalização por parte das agências regulamentadoras a fim de reduzir a poluição do meio ambiente e os riscos de adoecimento da população.

Publicado
2022-12-21
Como Citar
BARROS, Carlos Magno de Marce Rodrigues et al. ANÁLISE DAS DIVERSAS FORMAS DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS RESIDENCIAIS VENCIDOS OU EM DESUSO NO BRASIL E NO MUNDO. Revista Presença, [S.l.], v. 8, n. 18, p. 4-20, dec. 2022. ISSN 2447-1534. Disponível em: <http://revistapresenca.celsolisboa.edu.br/index.php/numerohum/article/view/394>. Acesso em: 24 sep. 2023.
Seção
Artigo Livre

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##